Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Fabrício Carpinejar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Lírica forjada em discreta beleza

por Fabrício Carpinejar *
publicado em 26/08/2007.

Almadéna, de Mariana Ianelli, imita um transe religioso com o objetivo de fazer uma síntese do espírito

Almadéna, o quinto livro da paulista Mariana Ianelli, já carrega no título uma promessa de reza. Significa pequena torre de mesquita de três ou quatro andares, de onde se anuncia aos muçulmanos a hora das orações. É um posto privilegiado, no qual o passado, o presente e o futuro estão suspensos pela profecia e pela convocação de seus fiéis. Não há tempo, apenas desígnios e destinos sendo cumpridos.

Desde o início, a autora firma um pacto, não é uma poesia que se lê, é uma poesia que exige uma adesão melódica como um hino. Entende-se "seguir" como aceitar a penumbra, a cláusula da devoção e da hipnose. Não estamos diante de uma poética de acontecimentos físicos, mas de "desacontecimentos". Envolta em círios, Mariana Ianelli canta a capela. Sem instrumento. Com uma passada longa e repetitiva (tomada de advérbios), que tenta trazer à tona a espera de uma mulher por seu amor, desde sua gestação, passando pela infância marcada de presságios, os dias juntos até a despedida para o alto-mar, gerando a perda.

É um livro que rumina influência dos cancioneiros portugueses e dialoga com o oceano, com um timbre essencialmente contemplativo e clássico, que se diferencia do minimalismo e realismo coloquial que dominam a poesia brasileira contemporânea. O mar como território oscilante e temerário, de descobertas e de tensas partidas. Há sempre o lugar íntimo - corpo e casa - abrindo-se ao lugar aberto, de risco e sofrimento.

Essa é a primeira surpresa, a aparição de uma voz ambiciosa, ainda jovem, antes dos 30, que pretende fazer uma síntese do espírito, uma súmula heróica subjetiva. Ao lado de Alexei Bueno, seu estilo destaca o enigma, mais romântico do que parnasiano, explorando com helenismo o dom sensorial. É a intuição que manda no jogo culto de paráfrases e dialética. As epígrafes de padre Antônio Viera anunciam o teatro do claro e do escuro, das aparências e máscaras. Não é uma arte da descoberta, e sim uma arte de releitura, de reviver os clássicos e reinstaurar um mundo de arquétipos pela mímesis.

O real não está em questão, mas o mandamento e o símbolo. A vida como a determinação dos deuses, ao invés de escolha e livre-arbítrio humanos. "O que finge existir não nos importa", diz um dos versos. A escritora lança uma problemática de estilo com sua obra. É um livro de vozes, não de voz, o que o tornará - para alguns - etéreo e hermético. São vozes oniscientes e onipotentes, conclusivas, que não estão partilhando intimidade, mas impondo sabedoria. O conhecimento já se deu, ele está sendo apenas transmitido. Daí a afluência de ligações como "portanto", "porque", "então" e "logo" na conjunção dos versos, e a pouca presença das perguntas e das dúvidas no decorrer do livro, que fariam do espaço mais atormentado e participativo.

Carece de uma vinculação com o perecível e o circunstancial, operando em um território mítico que nem sempre explica ao leitor como chegar a ele. As memórias, as visões, as miragens e as profecias se entrelaçam, provocando uma incessante dispersão. Isso posto, a delicadeza de Mariana Ianelli e seu esplendor estão justamente quando ela quebra a ascese espiritual pela descrição carnal das cenas. Quando ela volta do transe e atua como mediadora. Deixa a mensagem atemporal pela sua miudeza. Desce do mirante para o solo. Passa a ser voz individual e singular.

"Por um gole de rum,/ Por teus olhos antigos, / Ainda estar aqui. /Por pouco, muito pouco,/ Ainda acordar e vestir-se."

Nesse caso, cria uma aproximação, um doer das coisas, e permite a visualização de gestos simples e cotidianos. No momento em que assume uma persona polifônica e divina, de caráter coletivo, o tom fica ora determinante, ora abrupto. Fascina-se pela retórica e pela generalização do mundo, sem escolher um condutor concreto para focar tanta abstração.

"O ócio pelo ócio, /Fogo nos compêndios da História!/ Torne-se outro o que era um/ E nenhum o que era vário./ Perca-se o fio da memória./ Mais funda a noite,/ mais a fêmea se contorce./ Escuridão prostituta,/ Cruzes empestando as covas./ Não há dias que se desenrolem,/ Só um imenso atoleiro de horas /Onde dura o irracional./ Crianças contaminadas pelo tédio,/ Velhos fartos de deboche./ Vai subindo a fumaça do riso/ O pó do que eram ossos./ Toca uma flauta, esta flauta/ Universal como a treva/ E os irmão se consomem,/ Ladram e se consomem./ A necessidade de falar de tudo esvazia a intensidade do que se desejava falar."

As palavras agem, nem sempre interagem numa "obediência líquida". Perpetua-se uma troca de assunto e ambiente com aparente desapego. As imagens ficam abertas e em seguida desaparecem, como se não houvesse necessidade de compreendê-las. Abre palco para vaguezas sentimentais ("regência de uma alma", "escombros de teu tesouro, saudades" e "mar de grãos") e despersonaliza sua escrita com adjetivos ("indecifrável alegria", "antigos rancores", "erros formidáveis"). O adjetivo corresponde a uma forma de comunicar e não se comprometer.

Depara-se com um dilema entre glorificar o instante, próprio da poesia religiosa de Péguy, de Coleridge, de Lowell, de Hopkins, ou de resumir a ação e, assim, apressar o interesse. Quando glorifica o instante e fecha uma imagem, tem-se a beleza discreta e o ânimo de seus melhores versos:

"Encontrar a chave anos mais tarde/ Quando a passagem já está perdida;/ Descobrir uma carta selada,/ Quando a palavra secou na raiz."

Ou: "Porque cada coisa, para ser,/ Em seu todo se divide. /As fases da lua, a pele da orquídea,/ As cores com que se faz o branco."

Ou: "Talvez a roda de bicicleta/ Envelheça o menino."

E: "Antes que tenhas partido, já te espero./ No cheiro do carvalho e das cerejas./ Sei por onde vais e com que sede."

Em todos os quatro casos acima, identifica-se a imanência emocional a partir de um elemento. Existe algo para olhar e se debruçar, algo para tocar e permanecer: a chave ou a carta, a orquídea e a roda de bicicleta, o carvalho e as cerejas. A poesia deixa o narcisismo do discurso geral, a transcendência dominante, para cultivar aparições e desvendar relações metafísicas com o visível. Não mais sair e sair, mas entrar e sair. Reparar que a roda da bicicleta talvez envelheça o menino é uma preciosidade imagética.

No entanto, Mariana Ianelli tem intrepidez de sobra, em admirável composição lírica-elegíaca próxima da filosofia e vizinha do versículo. No canto De Agno, ela exercita o novelo exemplar de complementação de idéias e sensações, este, sim, com paciência no desdobramento da história. Narra o entusiasmo do sexo como se fosse um sacrifício e interpõe alusões bíblicas do campo a determinar a oferta:

"Eu, placidez de cabra, perdão de joelhos./ Dentre os animais, um sim que pranteia./ Eu, estado de graça, salvar e adoecer."

Talvez Almadéna valorize a delícia dos ouvidos e ressente-se justamente da ausência de um cuidado visual, de voltar para encerrar o impulso inicial do pensamento. Ocorre uma "vontade de nuvem", de cobrir e logo se afastar. O andamento perde em densidade à medida que as metáforas são maiores do que seu conteúdo aforístico. Soam afetivamente arbitrárias porque não se interpenetram. Num barroquismo manso, a poeta solta mais comparações do que a possibilidade narrativa de contê-las e significá-las. O deslocamento rápido de um plano íntimo para outro geral anula a concentração. A gula por abarcar distâncias interrompe a credulidade. E para amar a poesia de Mariana Ianelli, pede-se a crença irrestrita.

ESTADO DE S.PAULO, Caderno 2/Cultura, p. 5

Sobre o Autor

Fabrício Carpinejar: Fabrício Carpinejar, 34 anos, nasceu em Caxias do Sul (RS). Filho dos poetas Carlos Nejar e Maria Carpi, hoje separados, juntou seus sobrenomes em sua estréia poética, As Solas do Sol (1998). A partir de 2000, foram outros três livros anuais de poemas: Um Terno de Pássaros ao Sul, Terceira Sede e Biografia de uma árvore – até a antologia Caixa de sapatos (2003), que lhe conferiu notoriedade nacional, pela editora Companhia das Letras.

Desde 2004, é editado pela Bertrand Brasil por onde lançou Cinco Marias (poemas), Como no céu/ Livro de Visitas (2005, poemas e prosa poética) e O Amor Esquece de Começar (2006, crônicas) – sendo este último uma compilação de textos a partir do seu blog na internet. Mantém ainda a coluna semanal Consultório Poético, no site da revista Superinteressante. Foi laureado pela Academia Brasileira de Letras (prêmio Olavo Bilac, 2003), pela União Brasileira dos Escritores (Cecília Meireles, 2002) e recebeu o Açorianos de Literatura já duas vezes, em 2001 e 2002.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Projeto Terças Poéticas contempla Jovino Machado, por José Aloise Bahia.

Tamanho é documento, por Efraim Rodrigues.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos