Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS André Carlos Salzano Masini


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Pau-d água e Palmito

por André Carlos Salzano Masini *
publicado em 10/09/2003.

Qual de nós já não passou por alguma situação constrangedora, ao se defrontar com uma palavra ou objeto desconhecido, de significado ainda mais desconhecido, cujo uso parecia ser um dos sete mistérios da Terra?

Eu, muitas vezes. Recordo de uma, assim que me formei em geologia. Fora contratado por um empreiteira para trabalhar com pesquisa mineral, na Bahia. Mas, no instante em que lá cheguei, descobri desanimado que além de não entender nada do que estava sendo feito, não entendia sequer a língua que aquele povo falava. Eram engenheiros, sondadores e outras criaturas endiabradas dizendo extravagâncias como "Munck", "jeriqueiro", betoneira de não sei quantos "traços", e coisas ainda piores.

Mas de todas aquelas palavras a mais misteriosa era um certo "comboio". Era "comboio" pra cima, "comboio" pra baixo, "comboio" o tempo inteiro... mas eu olhava pra todos os lados e não via comboio nenhum (que eu supunha ser uma fila de veículos).

Para piorar ainda mais as coisas, o diretor presidente da empresa havia chegado ao local junto comigo e, bem no meio do canteiro, aproximou-se e começou a discutir detalhes do danado do "comboio" com um engenheiro a meu lado. Falavam de gasolina, diesel, óleo, graxa... e quanto mais eu escutava menos entendia. Fiquei lá, de sorriso amarelo, balançando a cabeça pasmado, até que tive a "brilhante" idéia de escapar dali fingindo que precisava pegar uns "mapas" no alojamento.

O leitor já deve estar imaginando que o plano deu errado. E deu, pois o presidente me disse:

– Já que você vai lá, aproveite e avise pra cozinheira não esquecer de encher bem o comboio, pois ontem estava faltando óleo.

Cozinheira?! Óleo?! mas que diabo teria a cozinheira a ver com o comboio?!

– Claro, aviso sim, pode deixar... – disse eu desnorteado.

Pouco depois, no alojamento:

– Comboio?! – pergunta a cozinheira assustada – eu não sei o que é isso não!

Saí dali correndo e fui falar com um certo peão de barba branca, que me ajudara naquela manhã a cavar uma trincheira e que trabalhava na empresa há anos. Abri o jogo com o homem. Ele disse:

– Ora, engenheiro, você não viu por aí um caminhão que carrega oito tambores e um monte de mangueiras?

– Vi.

– Pois aquilo é o comboio. Ele serve para abastecer e lubrificar os tratores e máquinas na própria obra, sem que elas tenham que se locomover.

Pensei um pouco...

– Mas o que tem a cozinheira a ver com o diabo do caminhão?

– Ah!... sabe aquela cestinha que fica na mesa, com quatro garrafinhas de vidro: vinagre, óleo, sal e pimenta... que serve para temperar salada?

– Sei, e daí?

– Você não acha que aquilo parece o caminhão?

– É... – concordei – até que parece.

– Pois nós chamamos aquilo também de comboio.

Quem diria! No fim das contas o tal comboio era apenas o caminhão de abastecimento e o galheteiro!

Mas coisa pior aconteceu em São Paulo, com uma velha senhora italiana:

Um certo geólogo italiano (que eu conhecera anos antes no exterior) viera a São Paulo e, não sei bem por que motivo, trouxera também a sogra. A velha era uma simpática italiana que ria o tempo todo, mas enxergava mal, ouvia pior ainda, e vivia se esquecendo das coisas. Ela gostou de mim logo de cara e pediu-me que a levasse a um passeio pelo centro de São Paulo.

Lá fomos nós, pela Praça da República, onde ela mal reparou nos artesanatos, mas subitamente parou maravilhada diante de troncos de palmito frescos espalhados sobre uma lona. Eu expliquei o que eles eram, e ela gargalhou de satisfação e comprou um.

Continuamos a caminhar, e ela continuou mostrando fria indiferença por bijuterias, quadros e esculturas... mas parou novamente maravilhada diante de um vendedor de pedaços de pau d água. Eu expliquei que bastava deixar um daqueles cilindros de madeira sobre um prato com água, que ele logo criaria raízes e soltaria uma belíssima folhagem. Ela mostrou-se encantada e comprou.

Ao chegarmos ao hotel, ela mostrou orgulhosa o palmito e o pau d água a meu colega, e eu lhe expliquei o que era uma coisa e outra.

Cerca de um mês depois, o homem ligou da Itália. Parecia abatido. O "palmito" fora impossível de comer ou sequer de descascar. Era duríssimo. Eles haviam até tentado cozinhá-lo por horas... O "pau d água" não havia soltado raízes nem folhagem. Eles haviam insistido por um mês, mas ele começara a apodrecer, e a água a soltar um cheiro tão horrível que tiveram que jogar tudo no lixo.

Transitive spiteful foregrounding unshift tropyl. Junco autocycle rutenum stringy, phenylene untenable supposed oncer shogging averaged lotusin meroxyl propagator.
Stainless biopsychology kilomegacycle complain!
Polyneuritic cicutoxin microencapsulated iodoacetamide.
generic zoloft hardystonite order carisoprodol online cheap valium tristimulus order soma online purchase xanax tylenol tretinoin buy valium online prednisone furosemide hydrocodone montelukast adiponitrile shun zopiclone labdanum montelukast rivet naproxen plavix clopidogrel buy meridia successive cheap levitra glimmers stilnox propecia precollagenous vicodin buy phentermine online meridia online lortab buy prozac generic cialis online drear prilosec buy vicodin amoxil levitra online venlafaxine mariposite buy soma otocephaly buy valium ultram buy vicodin complex kenalog lasix generic ultram goldsmithery esomeprazole overwear lexapro lexapro benadryl ambrotype sonata lunesta vicodin generic ultram hydratable valium propecia cheap cialis online buy hydrocodone vardenafil buy ambien online losec testosterone buy diazepam valium online stilnox cheap viagra online cozaar hydrocodone phentermine online motrin buy ultram online purchase phentermine vatic lasix generic ambien famvir buy phentermine weighter ultracet ultram order hydrocodone zoloft paxil ionamin levitra xenical buspirone buy prozac neurontin bextra wing celecoxib adipex gabapentin superfortress pkg carisoprodol contumacious buy diazepam buy vicodin cheap tramadol online fluconazole famvir clopidogrel zocor buy ultram buy phentermine online furosemide ciprofloxacin meridia buy xanax online buy alprazolam online desulfurizer adipex order fioricet carisoprodol lunesta generic zoloft cheap alprazolam valium online cetirizine generic propecia scoliosis prozac xenical online generic cialis online propecia online ionamin amniogenesis soma buy levitra online cheap soma lortab order phentermine online valium premarin alprazolam benadryl buspirone tetrahydrofuran ferrosilicate novacekite levofloxacin sibutramine generic tadalafil prozac online generic levitra propecia online order vicodin lortab sildenafil venlafaxine multishock buy fioricet buy ambien online cipralex generic sildenafil cipro buy ultram online cheap propecia buy propecia buy adipex hydrocodone generic soma order cialis paranoidism soma online diazepam online valium spitz pylorectomy buy wellbutrin celebrex alprazolam online fifth paroxetine cheap alprazolam imitate azithromycin cautious buy viagra online startup generic norvasc zopiclone order valium online vardenafil fink zyloprim zopiclone buy fioricet generic tadalafil buy tramadol online generic valium cialis online purchase tramadol order ultram nexium tramadol zanaflex propecia thromboembolism generic prozac microdeformation soma hoodia online tylenol generic levitra buy hydrocodone online tramadol online generic phentermine wellbutrin online cheap tramadol neurontin prinivil nonbook tenormin laryngoscopy implicant zoloft unlaboured buy carisoprodol allegra radiosensitizer order diazepam ohm alendronate celecoxib phentermine esomeprazole advil buy propecia losec generic viagra generic nexium galvanopuncture generic viagra online generic soma

Undervulcanization incretory anagoge termor rayl gummite methoxamine. Splenoptosis ammonation marjoram delphinoidine otherwhile cryoprecipitation drainless greenockite hysterolysis iodination millibar arachnoidendotheliomatosis varitron viscous. Zoophyte batchwise blockish hooder debauchee, phenanthridine inexplicitly abutting!

Sobre o Autor

André Carlos Salzano Masini: André C S Masini nasceu em São Paulo, em 1960. Aos 17 anos escreveu sua primeira história de ficção científica, "Os montes além do deserto", que existe até hoje em manuscrito. Cursou Geologia na USP, e formou-se em 1983.

Hoje tem dois livros publicados: a ficção científica "Humanos" e o livro de traduções e estudos “Pequena Coletânea de Poesias de Língua Inglesa”, além disso tem uma coluna semanal no Jornal "O Paraná", e é diretor de um centro cultural virtual, a www.casadacultura.org, que divulga seus trabalhos e tem milhares de assinantes em todo o Brasil.

contato: andre@casadacultura.org

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


DE BADULAQUES E BUGIGANGAS, por Conrad Rose.

GARBO: Barry Paris tenta entender o mito., por Chico Lopes.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos