Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Miguel Sanches Neto


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

O amor zumbi

por Miguel Sanches Neto *
publicado em 18/07/2007.

A obsessão doentia de uma mulher por seu ex impulsiona o belo romance do argentino Alan Pauls

Saudado por gente de peso, como Ricardo Piglia e Roberto Bolaño, como um dos maiores escritores latino-americanos vivos, o argentino Alan Pauls, de 48 anos, demorou a se decidir pelo título de seu quarto romance. Pensou em chamá-lo de A Mulher Zumbi, por causa da natureza fantasmagórica de Sofía, cujo amor doentio pelo tradutor Rímini, seu ex-namorado, impulsiona a narrativa. Considerou um título curto, Ex, até chegar ao simples e definitivo O Passado (tradução de Josely Vianna Baptista; Cosac Naify; 478 páginas). "O amor é uma torrente contínua", diz um dos personagens, e este também seria um bom título: Torrente Contínua. Trata-se, afinal, de um romanção que se lê compulsivamente. O Passado é cheio de lacunas, descontinuidades e mudanças de trajetória – mas, a essa força desagregadora, Alan Pauls opõe o poder da memória, que garante alguma constância onde tudo se desfaz rapidamente.

Muito bem arquitetada, a estrutura do livro envolve o leitor e o joga sempre à frente, ao longo das várias fases da vida de Rímini. Separado de Sofía depois de doze anos de amor, ele começa o livro como um tradutor solitário, tentando se desintoxicar da paixão e das drogas que consumia em excesso. Curado, torna-se um intérprete de palestras e se apaixona pela ciumenta Vera, que virá a morrer tragicamente. Rímini começa então a esquecer as línguas estrangeiras que eram sua ferramenta de trabalho. É nesse período que se reencontra com Carmen, amiga de faculdade. Os dois se casam e têm um filho, mas Sofía acaba provocando a traumática separação do casal. Rímini se faz professor de tênis e acaba amante de uma aluna rica.

Em cada uma dessas vidas, Rímini depara sempre com a sombra da amada, que o persegue como um espectro. Uma mórbida paixão comum mantém os dois ligados, mesmo depois do rompimento: a obra do pintor inglês (fictício) Jeremy Riltse, criador da sick art, uma estranha vanguarda que procura dar status artístico à doença. Depois de uma excursão à Europa para ver o artista, no tempo em que ainda eram gêmeos siameses, Rímini e Sofía passam a ser uma representação da própria lógica artística de Riltse. Enquanto o inglês colocava pedaços de seu corpo nas telas e sonhava ir mais fundo na automutilação em nome da arte, o casal fazia de seu amor doentio uma verdadeira obra, passando por contínuas experiências de doença, envelhecimento precoce e degradação física. O Passado parece estabelecer fronteiras entre livros muito diversos entre si – por exemplo, Em Busca do Tempo Perdido, do francês Marcel Proust, O Jogo da Amarelinha, do argentino Julio Cortázar, e O Amor nos Tempos do Cólera, do colombiano Gabriel García Márquez. E convida o leitor a se perder num território de obsessões perigosas, que só se tornam claras quando vistas pelas lentes deformadoras da arte.

Sobre o Autor

Miguel Sanches Neto: Escritor paranaense e crítico literário, assinando coluna semanal no maior diário do Paraná, a Gazeta Povo (Curitiba), tendo publicado só neste jornal mais de 350 artigos sobre literatura, fora as contribuições para outros veículos, como República e Bravo!, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde (São Paulo) e Poesia Sempre e Jornal do Brasil (Rio de Janeiro).

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


“Cidade do silêncio”, por Terezinha Pereira.

O Brasil na era da culpa, por Moacyr Scliar.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos