Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Iacyr Anderson Freitas e o consolo dos demônios mudos

por Chico Lopes *
publicado em 13/06/2007.

Grandes poetas são figuras não muito fáceis de encontrar, embora o mundo esteja repleto de poetas menores, medíocres e muito enfáticos na propaganda de sua própria poesia. Acredito que se deva a estes a má vontade com que a poesia anda sendo recebida, nos últimos anos, entre os leitores. Certas facções tornaram o poeta talvez desfrutável, gaiato e folclórico demais, e, no Brasil, qualquer coisa séria pode virar besteirinha ou ser tida como tal, devido ao espírito frívolo-perverso que parece presidir nossa indústria cultural, afoita em fazer e desfazer reputações cintilantes e ocas. Portanto, torce-se o nariz para a palavra "poeta", como se ela abrigasse coisas mais para levianas e desprezíveis.E certos poetas não fazem senão achar que isso é ótimo para eles, que os brilharecos e poses é que são quentes e valem a pena - portanto, merecem a irrisão a que são relegados.

Nunca me deixei impressionar nem abalar por modas poéticas nem nunca deixei de crer que o verdadeiro poeta sabe ser digno de si mesmo, de sua própria voz, mantendo-se fiel a uma verdade de que é portador mais para fatal que para eufórico. Sempre fui, para bem ou mal, muito fiel às leituras de poetas que me marcaram fundo, como se devesse àqueles livros (de Drummond, Cabral, Pessoa, Rilke) uma lealdade que, cumprida, sóme fez bem. E sempre tive dificuldades com novos nomes do panteão poético brasileiro; por isso não queria me arriscar, queria mais tempo para conhecê-los, e, atropelado pela necessidade de fazer minha prosa, de seguir meu caminho literário, muitas vezes não empreendi viagens sérias a livros de nomes novos que, por uma outra razão, me agradaram aqui e ali. Não foi o caso de Iacyr Anderson Freitas.

Conheci Iacyr quando me propus a sair em busca de diálogo com o mundo literário, ao lançar meu primeiro livro de contos, Nó de sombras. Ele me mandou uma coletânea de poemas seus, A soleira e o século, cujos poemas foram me fisgando e obrigando a fazer morada entre as suas páginas, e alguns eram tão lapidares que fiquei perplexo por ele já não ser conhecido no Brasil literário todo.

Iacyr foi se tornando um hábito. Concluí que, decididamente, há algo de errado nas reputações e nos suplementos, nos leitores de poesia e no resto: por que alguém como ele não está sendo lido como o devido? A meu modo, procurei sanar isso mandando poemas dele a alguns amigos, mencionando-o sempre que, militando por minha prosa, tinha alguma chance de falar da nova poesia brasileira.

Iacyr lançará, no próximo dia 20, em Juiz de Fora, dois livros de poesia, Quaradouro e Primeiras Letras (Nankin/Funalfa) na livraria e cafeteria A terceira margem. Não posso ir, infelizmente. Mas, gostaria que alguns dos que estão me lendo neste momento fossem para lá.

Marcas de grandeza

Alguém que escreve "Esse sol já se perdeu/ o minuto em que escrevo (em que alguém/do outro lado desta página/apalpa o fruto avesso que escrevo)/ esse minuto também já se perdeu" poderia ser tido por um poeta ignorável qualquer?

Os livros de que A soleira e o século são compostos - Terra além, O ocaso de junho, Exercício estrangeiro, Toda a gente, A poética do escasso, Mirante - estão repletos de grande poesia, de tal modo que, se alguém reclama que não há mais poetas dominadores e convincentes neste país, não sabe do que está falando. Mergulhando nas páginas de Iacyr, eu entrava numa realidade um tanto melancólica (sua poesia tem pacto com a lucidez e a austeridade), mas tônica, ainda que pareça paradoxal, pela beleza da construção e a justeza da música. A herança drummondiana a percorre, foi assimilada e é conscientemente lembrada. Mas, sem ser grande entendedor de poesia, senti nele muitas outras leituras, e, decididamente, uma carga filosófica que o tornava, a meu temerário desejo um companheiro de pensamento. Passamos a trocar e-mails constantemente e ele foi se tornando um amigo em Letras, realmente.

Gosto do que Ledo Ivo escreveu sobre Iacyr, e creio que jamais escreveria melhor: É ele um poeta já dotado de voz nítida, que percorreu em silêncio e solidão um largo caminho de amadurecimento e aprimoramento, e hoje procede à acentuação peremptória de sua genuinidade e a personalidade lírica; um poeta que sabe usar, com vigor e graça, o seu profuso pronome intransferível; um poeta que sabe conciliar a dicção coloquial com a escalada a patamares em que a poesia, sendo melodia e imagem, vibração e modulação, é também idéia e pensamento, e prolongada reflexão sobre a vida e seus mistérios. O seu desalento esconde uma alegria perdida.

De salento em filosofia, alegria em arte

Não há muito motivo para que andemos felizes neste mundo, mas a infelicidade, tal como o poeta Iacyr a enxerga, é talvez repleta de promessas que mal podemos entender, só intuir. Vejamos: "Leva o teu ouvido/ao chão/ A dureza do mundo/te exilou há muito/do real convívio/os barulhos do mundo...Escuta o tempo/que transcende/ os calendários/ e que te espera/ em sigilo/ sob o lençol de todas as idades"... Assim transcritos, esses versos perdem muito, porque Iacyr faz uso sábio dos espaços gráficos e sua poesia tem pacto com a espacialidade, na melhor tradição do moderno. "Nada a dizer: a própria existência/ nos mira de soslaio./ Esforçamo-nos demasiado/ para desconstruir o que nos confiaram/Agora estamos livres de toda memória. / A noite nos enlaça numa esquina/ e é apenas noite, sem metáfora/ E sem passado". Aqui, confesso: quando se quer citar boa poesia, tentar mostrar a emoção que ela nos deu, quanta impotência em nossos escritos!

A anomia, a tristeza, a ruína do mundo presente, Iacyr, como todo grande poeta sintonizado com sua época, compreende como ninguém. Leitor de filosofia, atento leitor da melhor prosa de ficção, ele tem uma aguda compreensão da solidão que cerca o verdadeiro artista da palavra, aquele para quem o desalento que o mundo nos dá, filosoficamente, talvez só possa ser compensado, e em caráter precário, pelas alegrias que a arte com seu fazer imaginativo, e quem sabe perdulário também propicia. Somos obrigados a abraçar o que nos condena,esperando tirar daí alguma energia crucial para continuarmos vivos.

De nada serve o amor dos nomes,
o apego à linha fixa do instante.
Nascimentos e mortes sucessivas
fendem a hora ao meio.

Basta olhar ao largo:
Acabaram-se as revelações.
Um demônio mudo nos consola.
Amparados por esse demônio mudo, que nos fita, opaco, é que seguimos em frente. Umdia ainda o ouviremos falar. O que, só os deuses sabem...

QUARADOURO
e
PRIMEIRAS LETRAS

de Iacyr Anderson Freitas


Dia 20 de junho, quarta-feira,
de 19h00min às 21h30min,
na livraria e cafeteria
A Terceira Margem (tel: 3216-7320),
situada na Galeria Pio X, 2º Piso, Centro,
em Juiz de Fora (MG).

O evento contará, também, com a
apresentação musical de Carlos Carreira.

Promoção especial (com quantidade limitada): Somente na noite de lançamento em Juiz de Fora, os dois volumes estarão sendo vendidos pelo preço de apenas um dos exemplares.


Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A lista do Malaquias, por Airo Zamoner.

Beija-flor - Quase Abril, por Urda Alice Klueger.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos