Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Airo Zamoner


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

LADRÃO ÀS AVESSAS

por Airo Zamoner *
publicado em 06/11/2006.

Ofegante galguei a ladeira da Rua José Danit e parei na esquina com a Avenida São Sebastião. Vencer aquela subida não é coisa pra caminhantes de primeiros passos.

Há quem me ache extravagante sair de casa antes dos rasgos que inauguram o dia. Não sabem que é recomendação médica. E eu gosto. É hora em que Quatro Barras dorme ainda o sono profundo. Não encontro viva alma. Se puderem façam como eu. Vocês irão conhecer um centro diferente daquele que se agita depois das nove.

Tentava retomar a respiração e prosseguir pela Avenida São Sebastião quando, do ponto em que eu estava, percebi um vulto no muro da Biblioteca Municipal Princesa Izabel.

A manhã prometia ser agradável, mas ele vestia um capote escuro, comprido e um boné preto enterrado na cabeça. Aba cobrindo os olhos. Pulou de dentro pra fora. Examinou o entorno. Ergueu a gola escondendo o rosto e trocou passos lentos em direção à Igreja. Depois foi se apressando. Nada carregava, nem se comportava como ladrão.

Tentei segui-lo, esgueirando-me, camuflando-me. Passou rápido ao lado do Colégio Dom Orione e desabalou a correr até sumir na mata. Parei muito antes, quase sem fôlego, titubeando entre a curiosidade e o temor.

O sol já iniciava o fabrico de suas brechas luminosas. A vida de minha cidade explodiria dentro em breve. Alguns pedestres já apontavam pelos cantos. Era hora de voltar.

Passei novamente em frente à Biblioteca ainda deserta. Fiquei imaginando que motivos tinha, o talvez ladrão, para invadi-la. Precisava voltar aos meus afazeres, percorrendo o longo caminho da Vinte e Cinco de Janeiro, e mergulhei em meus problemas.

Só voltei a me lembrar do episódio no dia seguinte quando repetia meu exercício obrigatório. Um pouco mais cedo, apontei a cabeça ao final da escalada, espiando a Biblioteca. Tudo estava deserto. Pensei, em minha ingenuidade, imaginar que ele estaria novamente ali. Fazendo a mesma coisa. E o que é pior, que eu pudesse desvendar o mistério.

Ri de mim mesmo e voltei a caminhar quando ele apareceu. Só podia ser ele! O mesmo capote, o mesmo boné. Cabisbaixo, caminhava rente ao muro da Biblioteca. Parou bruscamente. Aproximou dos olhos o volume que trazia. Olhou-o demoradamente. Cheguei mais perto. Percebi que era um livro. Repentinamente, ele saltou o muro e contornou a biblioteca. Em menos de um minuto voltou sem nada nas mãos. Repetiu a cena do dia anterior. Vontade eu tive de segui-lo, mas desta vez até o final. Adentrar com ele no mato. Descobrir quem era e de onde vinha aquela criatura. Fiquei paralisado. Pensei esperar ali até que a vida rompesse a dormência de Quatro Barras. Entrar na Biblioteca. Descobrir o que se passava, e há quanto tempo. Mas, não poderia. Precisava enfrentar a infinita reta da Vinte e Cinco de Janeiro. Andei ensimesmado. Um dia ainda vou conversar com esse ladrão às avessas.

Sobre o Autor

Airo Zamoner: Airo Zamoner nasceu em Joaçaba, Santa Catarina, criou-se no Paraná e vive em Curitiba. É atualmente cronista do jornal O ESTADO DO PARANÁ e outros periódicos nacionais. Suas crônicas são densas de conteúdo sócio-político, de crítica instigante e bem humorada. Divide sua atividade literária entre o romance juvenil, o conto e a crônica, tendo conquistado inúmeros prêmios e honrosas citações.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


POEMA NECESSÁRIO / 11, por Paschoal Motta.

Como conquistar leitores?, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos