início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Entre as Fronteiras - O Manuscrito de Sônia

Mariana Brasil*

Chegou ao Leitor Brasileiro o “Manuscrito” que foi a gênese do Livro “Onze Minutos”.
A história de uma brasileira que trabalhou como prostituta na Europa – que poderia ser igual a tantas outras – traz algo especial que a distingue das demais:

Transformou-se inicialmente num manuscrito (O manuscrito de Sônia) – que foi decisivo para o surgimento da idéia do mais recente livro de Paulo Coelho, Onze Minutos – e, depois – por verdadeira obstinação de sua autora – em um Livro editado em nosso País. Após o lançamento e com a primeira edição esgotada, a autora participará de tardes e noites de autógrafos em diversas capitais do Brasil.

O relato de Mariana Brasil (pseudônimo de Sônia e personagem central do romance) mereceu um prefácio “raro” do criador de O Alquimista, no qual ele conta um pouco de seu encontro com a autora de Entre as Fronteiras, nome este alusivo ‘as situações limite, “territoriais e emocionais”, vividas por “Mariana” nos países em que trabalhou (Itália e Suíça).

O Livro definido por sua autora como um misto de realidade e ficção – é baseado em fatos reais – vividos em parte pela protagonista e, também, nas experiências verdadeiras de centenas de mulheres, homens, transexuais, amigos e amigas – a quem conheceu, ouviu, “amou” e entrevistou.

A partir dessa base, Sonia criou “Mariana” e suas companheiras de viagem*, como costuma dizer – uma galeria de mais de 15 personagens que representam um pouco de tudo o que viveu, viu e ouviu.

Essa fusão de personalidades reais e fictícias deram vida e autenticidade ao livro Entre as Fronteiras – O Manuscrito de Sonia. Trata-se, em síntese, de uma narrativa que mostra o mundo da prostituição visto de dentro, na qual Mariana expõe seu modo de pensar, envolvido por conflitos e expectativas de uma vida melhor, ora ditados pela necessidade premente de sobrevivência, ora cheios de esperança.

A visão de mundo da autora se revela nas trajetórias das personagens que nos apresenta: algumas com resultado trágico, outras com “final feliz”, mostrando-nos que mesmo um caminho marcado pela discriminação e pela perseguição pode levar a situações desejáveis, apesar dos inúmeros obstáculos. Suas reflexões sobre os extremos do mais antigo dos “sonhos” ditados pela Sociedade – de preservação de valores como a família, casamento, filhos etc… - mostra que tal sonho acaba resistindo a tantas experiências difíceis. Talvez uma forma de vitória do “amor”.

De Paulo Coelho, sobre o livro, em seu prefácio:

“(…) Não leio manuscritos, mas li aquele – a história de uma mulher, uma prostituta que muito amou, suas dificuldades com a lei, suas aventuras. (…) adorei o livro e o modo delicado como contava a trajetória de Mariana, a protagonista. (…) “Mariana” mostra neste livro, com um realismo envolvente, doce, porém desconcertante, um mundo visto, ouvido e vivido de dentro. Suas palavras (…)podem nos levar ao inferno em busca de si mesmo, e ao paraíso do encontro com o amor.”

Na Itália, o seu manuscrito - que serviu de gênese para o livro "Onze Minutos" de Paulo Coelho- , foi publicado pela Italia Nuova Editori.


Sobre o Autor

Mariana Brasil: Mariana Brasil nasceu no sul do Brasil, no ano de 1966, atualmente com 37 anos. Há treze anos mora na Europa, no norte da Itália. Sua trajetória de vida inspirou o escritor Paulo Coelho em seu ultimo romance "Onze Minutos". Mariana atualmente dedica grande parte de seu tempo à escritura e ao aprimoramento no aprendizado da profissão que escolheu para si, "escritora".

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

Tributo a Charles Spencer Chaplin,  por Henrique Chagas.
Trata-se de uma coletânea de pequenos monólogos, (5 a 10 minutos cada) especiais, portanto, para crianças de até doze anos.  Leia mais
O veludo das serras abriga escorpiões,  por Chico Lopes.
Adágio para o silêncio: Há, na boa e verdadeira literatura, um imperativo moral e estético: o escritor tem que dar a sua verdade, independente de quem fira.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página