início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Bagunçando Brasília

Airo Zamoner*

Airo Zamoner encaminhou-me seu novo livro: "Bagunçando Brasília". Uma leitura muito agradável: aquela que não vontade de parar. O único desejo é chegar ao final da leitura; uma história muito bem contada e carregada de humanismo e escrita no estilo característico do autor, um estilo firme e crítico.

Realmente, trata-se de uma história cheia de aventuras, mistério, ação, onde os fatos se sucedem de forma frenética, levando-nos a uma diversão intensa, mas principalmente fazendo-nos repensar nossa sociedade e os métodos obscuros de muitos políticos e autoridades. Uma obra que deve ser indicada pelos professores aos seus alunos. Mais, deveria ser distribuída pelo Ministério da Educação a todos os estudantes. Uma verdadeira aula de cidadania.


Leia a seguir uma parte do primeiro Capítulo intitulado BANCO DE PEDRA. Temas transversais como cidadania, ética e pluralidade cultural, são abordados de forma intensa, dinâmica, onde os acontecimentos se sucedem freneticamente prendendo o leitor da primeira à última página.


CAPÍTULO I

BANCO DE PEDRA

Um estrondo seguido de um longo berro e de novos estrondos, fez tremer toda a velha casa de madeira. O bule de café quase fervendo, que Elita transportava para a cozinha, voou desastradamente para o chão.

Paralisada, suas mãos franziram o avental contra o rosto. Viu Fabiano chegar com os olhos esbugalhados de susto. Manteve-se estática. Parecia em transe hipnótico.

– O que é isso, mãe?

Congelada, Elita não respondeu. O pandemônio sonoro continuou vindo do quarto do casal. Fabiano agarrou a mãe pelos ombros e a sacudiu com firmeza. Saiu do transe, sem largar o avental premido sobre a boca e ambos correram para o quarto. Porta fechada, lá dentro, repentinamente, se fez silêncio. Entreolharam-se assustados. Fabiano deu um safanão violento na porta leve de madeira compensada. Ela se abriu submissa, fazendo dois ou três vaivéns irregulares. Um último empurrão escancarou o quarto e a cena descortinou-se patética.

A velha cama do casal estava tombada sobre a parede. Os móveis, há pouco arremessados para todos os lados, tinham se transformado em estilhaços imprestáveis. A balbúrdia era total. Roupas espalhadas pelo chão. Cacos do espelho da velha penteadeira, humilde herança da avó de Fabiano, salpicavam o cenário. Sentado em meio aos escombros, Giusto cobria o rosto com as grandes e fortes mãos calejadas e recém feridas. Escondia lágrimas e sangue. As mãos apertavam a boca e o nariz, na tentativa inútil de escamotear soluços irreprimíveis.

Fabiano nunca havia visto seu pai tão desgraçadamente batido. Correu para ele. Tentou abraçá-lo. Giusto não se moveu. Elita, com o dorso da mão esquerda, fez sinal insistente e mudo para que o filho deixasse os dois sozinhos. Lágrimas amargas e quietas saltaram do rosto jovem.

Afastou-se de costas. Viu a mãe repetir o gesto sem parar. Giusto se entregava como um menino ao consolo da mulher, liberando soluços envergonhados.

***

Fabiano correu para a rua como se soubesse aonde ir. Na verdade sabia. Nos momentos de desespero ou de intensa alegria, corria para Guacira.

Desceu a ladeira íngreme. Suas lágrimas secavam ao vento. A longa subida reduziu seu ímpeto e suas forças pareciam minguar. A imagem de seu pai dilacerava seu coração e não desmarcava seus olhos.

Aproximou-se do alto da rua que agora se estreitava, quase saindo da cidade. O frescor das árvores inclinadas sobre o caminho estreito, renovava seus pulmões. No final da rua sem saída, a casa de Guacira. O portão se aproximava. Não precisou bater. Guacira veio ao seu encontro.

– Fabiano! O que é isso? O que aconteceu?


**** Diz o Prof. Doutor Vicente Ataíde: "Dono de agudo humanismo, crítico da sociedade contemporânea, estilo firme e tenso, onde as coisas depressa se vão complicando, por certo Airo Zamoner está alçado ao primeiro escalão da literatura brasileira. Tudo o que ele faz é forte e poderoso, útil no sentido crítico, renovador no trato das consciências. Ninguém termina a leitura de um texto de Airo Zamoner do mesmo modo que iniciou

Sobre o Autor

Airo Zamoner: Airo Zamoner nasceu em Joaçaba, Santa Catarina, criou-se no Paraná e vive em Curitiba. É atualmente cronista do jornal O ESTADO DO PARANÁ e outros periódicos nacionais. Suas crônicas são densas de conteúdo sócio-político, de crítica instigante e bem humorada. Divide sua atividade literária entre o romance juvenil, o conto e a crônica, tendo conquistado inúmeros prêmios e honrosas citações.

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

A literatura dos deserdados,  por Adelto Gonçalves.
Willer compara os contos de Cagiano aos de João Antônio por causa da indignação, do senso crítico agudo, do desprezo pelas concessões. Nelson Oliveira na contracapa também lembra de João Antônio e acrescenta Samuel Rawet e Luiz Ruffato. E não exageram na comparação. Todos vêem o mundo de baixo, das classes sociais mais oprimidas. E fazem literatura de alto nível porque saída das entranhas da vida.  Leia mais
A microantologia de Marcelino Freire,  por Jacinto Guerra.
Lançado em abril de 2004, com a façanha de já ter alcançado duas edições em três meses, "Os Menores Contos Brasileiros do Século" é um grande micro-livro para leitores que têm pouco tempo e sabem que, em literatura, muitas vezes, quanto menor melhor.  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página