Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Silas Corrêa Leite


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Romance moderno de Carlos Henrique Schroeder: A Rosa Verde

por Silas Corrêa Leite *
publicado em 12/08/2008.

O romance moderno de Carlos Henrique Schroeder, "A Rosa Verde" (Editora da UFSC em parceria com a Editora UNERJ) que também é dramaturgo e roteirista, invoca memórias reinventadas ou um importante refluxo de certo arquivo neural em vetor recorrente, re-produzindo fatos estupendamente reais do histórico de um povo, de um tempo, de um lugar? Tudo isso e muito mais.

A década de trinta e suas rupturas institucionais, historicidades plantadas num gomo da vida sulista, traumas, seqüelas, barbaridades e memórias hospedeiras. Jaraguá do Sul, Santa Catarina, terra residencial do autor, palco e curtume de virações. Personagens e assassinatos, datações e contações, um romance peculiar que vai e volta na calça curta do tempo, com as releituras como cetras espinheiras que atiram flashs de acordo com a peculiar linguagem gostosamente viçosa do escritor em ritmo de pensagens feito prosa rica.

"Quando a economia capitalista entra em colapso, e a classe trabalhadora marcha para o poder, então os capitalistas se voltam para o fascismo" - diz Leo Huberman, in, História da Riqueza do Homem (Zahar Editora), e aqui o retrato em preto e branco é pintado entre o fim das oligarquias da era café-com-leite (São Paulo e Minas Gerais em panelas políticas) mais a proletária República Varguista e seus meandros danosos em antros de escorpiões, como a Ação Integralista Brasileira, da grave extrema-direita e seus chamados camisas-verdes. Tudo em terras de Santa Catarina. A nova classe dominante emergente pondo as mangas de fora.

Época de Hitler, Mussolini, Franco e a rastaquara versão tupiniquim do pseudomessiânico Plínio Salgado, mais o romântico personagem Bertoldo sob a égide da tríade Tradição, Família e Propriedade (que em 1964 no golpe de primeiro de abril também foi reforçada pela falsa Redentora de 64 com a mesma ótica extremista), entre personagens fictícios, cenas poéticas, a psicologia de um e outro instante-trevas, diálogos e fixações. Jaraguá centro, alvo e pano de fundo.

Carlos Henrique Schroeder aqui e ali inverte a lógica romanceira, processa uma construção narrativa como se em fragmentos de tempos idos e presentes, vale-se bem de uma metalingüística gostosa, cria andaimes próprios de quem até muito bem constrói uma obra-livro para contextualizar suas histórias, pessoas, loucuras, devaneios - por que não? - e faces aqui e ali absurdas nos pântanos de nossa populista ditadura-democrática, ou mesmo dessa nossa atual democracia midiática que lamentavelmente ainda não preconiza uma comunitária democracia social. Pautar a história brasileirinha é apontar o câncer da ilogicidade ético-humanista?

Um filme noir, os sinos plangentes entre plagas sulistas, fotogramas de quando o mesmo sol se levanta e se põe; os gatos pardos dos lances históricos entre histerias e utopias fundadas em extremos, retratos sim, de um país quando ameaçada a funesta pequeno burguesia em seus interesses produtivos-lucrativos. Tempos tenebrosos. Há um lado meio Hemingway no autor também? Páginas de rostos. Salvos do incêndio. Os tambores silenciosos bombam idéias em grandes seres críticos quando ameaçados. Registrar é produzir arquivos de letras e textamentos.

Se o céu da boca é a parte mais suave da cabeça, as idéias claras trazem cenas nuas de tempos, de locais, de pessoas e, claro, de arbítrios quermesseiros também. Jaraguá do Sul foi palco circunstancial e nesse jogo cênico do autor, as rosas verdes nos remetem a tempos em que resistimos, apesar de tudo, para, enfim, também darmos nessa frágil democracia meio rosa chá, meio rosa verde, porque a madurança é estigma da história oficial, da história oral, do próprio romance que mistura uma coisa e outra, dando testemunho de que a palavra romanceada ainda é uma arma branca, limpa, altamente funcional e alimentadora de, no devir, termos vividamente uma política realmente ético-humanista. A base correta para a narrativa é a compreensão estilística da abordagem técnico-criativa.

Oscar Wilde dizia que o mundo era um palco, mas que o elenco estava mal dividido. Deve ser isso. Carlos Henrique junta peças, nomes e fatos, elenca potenciais e tramas, quando ao mesmo tempo nos prega uma peça novelística romanceada de uma forma diferente e, certamente com embasamento de roteiro fílmico. Darcy Ribeiro dizia que o Brasil é um moinho de gastar gente. Carlos Henrique reafirma isso na sua prosa moderna e cativante. Pedro Juan Gutierrez (in, O Ninho da Serpente) diz que é preciso construir um universo próprio e depois esconder os andaimes. A Rosa Verde é um universo todo peculiar e todos os seus andaimes expostos também, nódoas e nódulos. Orides Fontela diria de tudo isso: "O abismo/Atrai o abismo/Caio em mim."

Contar é registrar. Cair em si. Passar pelo ralo do crível, o absurdo de épocas conflitantes e pragmatismos popularescos. A massa de manobra. O homem dentro dos acontecimentos. O escritor registrando a historicidade nua e crua. O trabalho de quem sabe o que faz e faz bem. A Rosa Verde é a purgação da história que nos leva a concluir que a maduração vem também a partir do deleite de ser e de criar, de pensar e de resgatar, até porque, ainda "resistir é preciso", e, mais do que nunca devemos sempre enlivrar as acontecências de nosso meio e raiz - e seus fantoches de ocasião - como uma magna forma de darmos testemunho de sensibilidade literária à flor da pele. Parafraseando Tolstói, podemos afirmar que cantando o nosso estado (no amor e na dor do hediondo carnegão que seja) também somos eternos tabuleiros de fatos e das excentricidades de fatos.

Sobre o Autor

Silas Corrêa Leite: Poeta Prof. Silas Corrêa Leite
E-mail para contatos, palestras, mostras, etc.: poesilas@terra.com.br
Site pessoal: www.itararé.com.br/silas.htm
Romance místico virtual ELE ESTÁ NO MEIO DE NÓS
Texto da Série: Escrever e Criar, é Só Começar (Inédito – Prática Educacional)

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


O que acontece nos museus do Brasil, por Jacinto Guerra.

Um homem que procura para pagar, por Ignácio de Loyola Brandão.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos