Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Fuga ao real: incompreensões do público leitor

por Chico Lopes *
publicado em 12/01/2008.

Livrarias, claro, são dos meus ambientes favoritos, sejam elas grandes, espaçosas, iluminadas e recheadas de stands e cartazes, sejam pequenas, estreitas, cubículos como certos sebos, onde o cheiro de livros velhos já é um tremendo excitante. Mas, percebo que as livrarias de maior atração para o público, hoje em dia, não são exatamente lugares onde se pode conhecer os melhores e mais refinados leitores.

Como freqüentador, tenho tido a tristeza de constatar que quase não se procura mais livros de ficção mais refinados e incomuns e que o leitor já não se parece mais com um tipo decididamente culto com quem valha a pena conversar. Ele entra com idéia fixa na aquisição de algum livro que freqüenta a lista dos best-sellers (alguns mais rebarbativos levam até nas mãos para fazer suas compras), estrangeiros em maioria e destinados a entreter, tudo bem, mas dificilmente obras que poderão levar a reflexões maiores e mais interessantes sobre o mundo.

Quando um livro até bem corajoso como "Deus - Um delírio", de Richard Dawkins, faz sucesso, percebe-se que é menos pela força e a riqueza da argumentação do que pelo escândalo que vem suscitando um autor ateu confesso que ataca as religiões - grosso modo, é isso o que fisga o comprador superficial: um apetite pelo sensacionalismo. As razões que o levam a comprar um livro não são as melhores, infelizmente. É possível (e é mesmo observável) que muitos livros que se vem comprando a esse preço escandaloso na faixa dos 50 a 60 reais ou mais, acabem sendo pouco lidos e rapidamente negligenciados e encostados (há sebos com livros praticamente novos, deixados de lado por compradores apressados que não encontraram neles a excitação esperada).

Fala-se mal dos livros de auto-ajuda, e realmente é quase impossível defendê-los. A onda de há muito ultrapassou as fronteiras do ridículo, e criou um desvio perverso no comprador: o objeto livro passou a ser visto como uma espécie de remédio para esta ou aquela frustração ou de manual de sobrevivência no mundo dos negócios e empregos (onde as coisas ficaram tão angustiantes que até Deus precisa ser invocado para legitimar as transações, aspirações, os cúpidos subordinados e os detestados patrões, e essa mistura de Deus com capitalismo o mais utilitário e calculista é particularmente intragável). Deus se tornou, grosso modo, o mais óbvio recurso para fazer sucesso no mundo material e temporal, numa total inversão dos valores, já que, sabem os mais estudiosos e os religiosos mais refinados, que a chegada verdadeira a Ele pressupõe caminhos muito mais severos, despojados e espinhosos.

Mas o que a onda de livros de auto-ajuda (ao que parece, interminável) faz de pior é encobrir o gosto pela Literatura como arte, como ficção. Não se perdoa e não se quer de jeito nenhum que um escritor seja uma criatura artística, voltada para a criação e a imaginação. É preciso que o que ele esteja contando seja, de algum modo, autobiográfico ou apresente alguma utilidade ou "lição de vida" (um argumento sob o qual pode se esconder o pior tipo de sentimentalismo) para o comprador. Por isso talvez o grande sucesso das biografias: é como se as pessoas estivessem procurando o segredo, por trás da vida do famoso que o fez se tornar famoso, não importa o que exatamente ele tenha feito, porque a fama passou a ser um absoluto sem questionamento.
Como a boa literatura tem uma tendência natural a apresentar uma visão questionadora das coisas, valores, sociedades e sonhos, já chega ao mercado como perdedora. O autor mais sério é rotulado como um pessimista, um propositor de becos sem saída, um sujeito que se deleita com o sofrimento e quer fazer o leitor sofrer. Não há mais uma valorização da Beleza, no plano estético (o que inclui, claro, necessariamente, melancolia e sofrimento, porque a vida é isso, independente de nossos desejos). Esquece-se facilmente que a melancolia, o sofrimento e a dor podem ser indissociáveis da reflexão e que a Beleza é um caminho acidentado, um caminho de apesares. Para concordar com isso, é preciso uma visão madura que as pessoas parecem não querer ter mais. Assim, não é de espantar que trombemos com cinquentões pueris obstinados em ler histórias adolescentes de magia. Ou mulheres solitárias que, a despeito de todas as lições que já receberam da realidade, continuem à espera de um livro que lhes conte como encontrar seus príncipes ou amores masculinos idealizados (desconfio que as pessoas jamais desistem de certos sonhos, apenas os mascaram e disfarçam habilmente à medida que vão percebendo que são realmente inexeqüíveis).

Os livros precisam ter demagogias que façam bem ao coração, serem engraçadinhos, sensacionais (não importa a inverdade do que estejam proclamando), escandalosos, eufóricos. É comum que as pessoas perguntem o que a gente está lendo para que sigam nossos gostos e que fiquem desanimadas ao perceber que não indicamos aquilo que elas esperam ler: coisas fáceis, humorísticas, leves. Um autor rotulado como "pesado", hoje em dia, não é mais um autor pornográfico - é, antes, um sujeito que comete a imoralidade de não ser digestivo e não adular as pessoas em seu desejo de felicidade barata e evasão sem maiores compromissos. Será sempre visto como desmancha-prazeres, ainda que traga mensagens das mais importantes e cruciais.

Mas, a crítica que faço a isso não significa que eu ache que os livros de entretenimento sejam todos desprezíveis; há muita coisa destinada a entreter, com competência e profissionalismo, no mercado. Há excelentes livros policiais, de aventura, mistério, magia, infanto-juvenis e de qualquer gênero, em oferta por vezes até atordoante em sua multiplicidade, e eles cumprem o seu papel direitinho. O que quero criticar é essa tendência insidiosa a ir tornando os livros aceitáveis só na medida em que compactuam com fantasias reles e imediatistas, necessidades de compensação, riso ou prosperidade material. Comprar só isso acaba sendo um rito neurótico/obsessivo, a repetição indefinida de um tranqüilizante de efeito fugaz: a maior parte dessas produções diz que a vida melhor está ao nosso alcance, desde que rebaixemos nossa inteligência crítica praticando a mais rasteira auto-sugestão em doses maciças.

ONETTI, QUIROGA, SCHOPENHAUER E OUTRAS MALDIÇÕES

Diante da realidade aí exposta, fico pensando na dificuldade que encontram os escritores de temas malditos, tristes ou "politicamente incorretos" e no que perde o público leitor ao fazer o pacto fáustico com a Euforia e a Facilidade, desdenhando certos títulos. Um autor como o uruguaio Juan Carlos Onetti, difícil, árido, mas cheio de uma beleza compensadora quando bem lido, tem um livro de contos cujo título, "Tão triste como ela", deve funcionar como um verdadeiro expulsa-freguês. Outro livro onde encontrei contos fantásticos, de uma beleza pungente, foi "A galinha degolada e outras histórias", do também uruguaio Horácio Quiroga. Mas, com um título desses, deve ser "disgusting", desanimador de fato para essa horda. Já tive toda espécie de problema por ter escrito um livro, o meu primeiro de contos, chamado "Nó de sombras". Certo número de leitores me rotulou como sombrio e macabro e desdenhou todo o resto que eu mostrava em histórias sofridas, que propunham um olhar menos concessivo sobre a realidade. Fico imaginando o que deve pensar o consumidor do tipo descrito ao se deparar com um livro básico da filosofia de Schopenhauer, "As dores do mundo".

Condensado em edições populares, podendo ser encontrado a preços reduzidos, é um livro que releio sempre que quero me entender melhor com a vida, o mundo, o sofrimento. Alguém aí poderá estar pensando que sou um refinado masoquista. Nada disso: o que Schopenhauer, basicamente, diz, é que estamos presos ao desejo e que o desejo leva ao sofrimento. Que a vida é sofrimento e que ninguém escapa disso. Que o homem é uma besta egoísta que se julga o centro do Cosmo quando, na verdade, é de uma pequenez que contrasta pateticamente com sua incurável megalomania. As reflexões de Schopenhauer são maravilhosamente lúcidas e dão um prazer único: o de encontrar uma inteligência que resiste à besteira e às falsificações de filosofias consoladoras e enganadoras. Para mim, ainda que pareça estranho, um pessimista radical como ele (que, no entanto, apontou ao Ocidente os caminhos de verdades serenas e desapegadas do Budismo) tem muito mais de tônico que um otimista que insista em que eu engula sua visão falsa e edulcorada do mundo.

A mistificação não me tonifica. A esperança como "urubu pintado de verde", parafraseando Mário Quintana, não me interessa; já a desesperança exposta com razões lúcidas, que nos fazem compreender melhor o mundo em que estamos, tem sobre mim um efeito vigoroso. Sinto que fui tratado como um ser humano respeitável e adulto, quando leio e releio "As dores do mundo". Porque creio firmemente que a verdade nos liberta muito mais do que as fantasias consoladoras, estas sim insatisfatórias e peçonhentas.

Fora daí, os livros me interessam - independentes se seus temas são alegres ou sombrios - como fruição estética, a começar pelas capas bem feitas e orelhas sugestivas, que têm um papel fundamental na minha decisão de adquiri-los. Meu preceito favorito é "a thing of beauty is a joy forever", de Keats. A "coisa bela", que deve ser "uma alegria para sempre", tanto pode vir nas epifanias da prosa de Rosa, que nos remetem à transcendência e à Beleza redentora, quanto nos duríssimos aforismos de um pessimista que levou as lições de Schopenhauer a um extremo radical como E.M Cioran. Livros terríveis como "Misto quente" de Bukowski e "Viagem ao fundo da noite", de Céline, têm uma beleza especial, feita de uma poderosa onda de desilusão quanto a coisas, instituições e pessoas, mas é uma desilusão que, com sua drasticidade, têm um efeito purificador sobre nosso intelecto e nossas bobas indulgências quanto à vida, que pode ser sim - e é, por vezes - absurdamente cruel.

Mas, essa crueldade, esse aspecto trágico da vida, é decididamente pouco comercial, e, assim - com a finalidade clara de poupar o leitor de coisas mais cortantes e impiedosas que são umas quantas realidades incontornáveis -, tome desvio, eufemismo, cuidado, coisas duras apresentadas com atenuantes, suavizações, despistes, mentiras. A velhice, a doença, a frustração amorosa, a morte - que fazem parte de nossa vida de modo decisivo - são embelezadas, mistificadas, escamoteadas. Quanto à morte, não faltarão livros sobre as consolações do tipo sobrevivência dos "entes queridos" em melhores condições no "plano astral" ou sandices quetais, patético e inútil esforço de, através do sentimentalismo, evitar o aspecto irremediável e assustador do assunto e criar um Éden muito conveniente e oportuno para nossas mentiras e fraquezas (já que, em vida, a consideração que cerca os nossos afetos familiares nunca é isenta de hostilidade e tédio). O melhor livro sobre esse assunto é ainda o belíssimo "A morte de Ivan Illich", de Tolstoi, mostrando um alto funcionário russo que cai doente e descobre toda a mentira, toda a hipocrisia da família falsamente afetiva que o cerca, todo o absurdo e o mistério da vida, ao sentir que vai morrer, inexoravelmente. A única compreensão, ele encontrará num sujeito socialmente desqualificado, um humilde camponês, que o carrega nas costas, ajuda-o nas suas necessidades fisiológicas, não se enoja de sua condição.

Em suma, o que há de tônico nos livros deve nos vir da arte com que são escritos, não de outras fontes. A arte literária de grande estatura leva em conta o fato de que o ser humano não é coisa pouca, de que suas alegrias e terrores devem ser registrados com justeza, tocando no nervo da mistura de exaltação e queda em que vivemos.

O que nos cega para o luto nos cega para a realidade e até nos impede de ver a luz possível, o que nos faz evitar a frustração evita que amadureçamos. Apreciar os livros esteticamente, independente de eles tratarem de temas desanimadores, é realizar uma operação muito salutar para o espírito, já que a arte pressupõe, ela sim, um controle do homem sobre suas limitações e falhas, ainda que seja, claro, um controle relativo. Os fatos desagradáveis da vida não deixarão de existir só porque damos as costas deliberadamente para eles e decidimos ser "positivos" até contra as mais óbvias evidências em contrário. Positivismo algum nos dota de superpoderes.

Sem que queiramos reconhecer as verdades de nossa humana condição, tudo que somos é pueris. E manipuláveis por industriais do torpor que adulam nossas ignorâncias e preconceitos e nos mantém nessa puerilidade por tempo indefinido.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Bomba nas eleições, por Airo Zamoner.

Aberratio Ictus, por Antonio Luiz Fontela.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos