Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Noga Lubicz Sklar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

A América contra a caretice

por Noga Lubicz Sklar *
publicado em 12/01/2008.

"Não existe uma América negra. Não existe uma América branca. Não existe uma América latina ou uma América asiática. O que existe são os Estados Unidos da América", prega o mantra comunitário de Barack Obama a favor de um mundo civilizado.

"Maravilhoso, não?", comenta Ali Kamel em seu artigo "Obama" no Globo. "Tudo isso escrito e publicado por um político negro nos EUA. Que os Estados Unidos tenham um candidato negro, viável, e que pense assim, é em si um sinal de que se está mais perto do sonho de Martin Luther King", continua o Ali. E de alguns outros sonhos também. Um sonho ameaçado, no entanto, pelo conservadorismo americano, que embora dê sinais de algum desejo de mudança, ainda persiste na caretice. E persiste apesar de atitudes progressistas, que plantaram sua semente de modernidade há muito tempo atrás.

Não sei vocês, mas eu não sabia disso: o Ulisses de James Joyce, banido nos Estados Unidos sob a acusação de obscenidade, só foi publicado, em 1933, graças à sensibilidade do juiz federal John M. Woolsey.

"Foi por ter sido leal à sua técnica, e por ter tentado honestamente dizer o que pensavam seus personagens, que Joyce foi atacado e freqüentemente incompreendido. Foi sua tentativa honesta e sincera de atingir este objetivo que o levaram a usar certas palavras que são geralmente consideradas sujas e que levou ao que muitos julgam ser uma preocupação excessiva com sexo no pensamento dos personagens." Nossa. Eu não fazia idéia, caramba: imagino papai e mamãe lendo esse livro proibido, na Minas careta dos anos 1960.

"O caso de Ulisses", afirma o editor americano do romance, "marca um momento de virada. Foi eliminada a necessidade de hipocrisia e circunlóquio na literatura. Os escritores já não precisam buscar refúgio em eufemismos, e podem agora descrever as funções humanas básicas sem medo da lei." Uau. E eu que pensava que Joyce era um obscuro e seu romance, um complicadíssimo apanhado de neologismos incompreensíveis. Nada disso. É intuitivo. É bem-humorado. E acaba sendo sofisticado, imaginem, ao retratar sem nenhum subterfúgio, "com franqueza inédita", o pensamento fluente da "classe média baixa da Dublin de 1904".

No original em inglês dá pra ver a origem sonora dos tais neologismos, pinçados genialmente, se não me engano, da linguagem descuidada das ruas. A tradução de Houaiss confere ao texto, infelizmente, uma pretensão que o original não tem, e é por isso que estou lendo as duas versões ao mesmo tempo. Vou acabar maluca, mas vejam vocês: Ulisses é pura diversão intelectual, uma delícia. E eu que nem desconfiava disso.

Ainda não avancei muito, mas segue um dos meus trechos preferidos até agora (destaquei somente algumas frases):

"Um jornal. Gostava de ler no assento. Espero que nenhum macaco resolva bater no que estou....Agachado no trono dobrou seu jornal, virando as páginas sobre os joelhos nus. Algo novo e fácil. Sem pressa. Segura um pouco. Nosso bocado premiado. O Golpe de Mestre de Matcham. Escrito pelo Sr. Philip Beaufoy, do clube dos Freqüentadores de Teatro, Londres.

Leu calmamente, se controlando, a primeira coluna e, cedendo mas resistindo, começou a segunda...A meio caminho, vencendo a última resistência, permitiu que os intestinos se aliviassem calmamente enquanto lia, lendo ainda pacientemente, a leve constipação de ontem quase resolvida. Espero que não grande demais pra me dar hemorróidas de novo. Não, no ponto. Ah. Isso. Prisão-de-ventre um tablete de cáscara sagrada...Rasgou com firmeza metade do conto premiado e com isso se limpou. Depois levantou as calças, ajustou-as, se abotoou. Empurrou a idiota da porta desconjuntada da casinha e saiu das sombras para o ar livre.
"*

Gente. Isto é Joyce. Maravilhoso, não?

*A tradução é do Houaiss, hum, mais ou menos. Confesso que enfiei meu dedinho apressado e pretensioso nela.

Sobre o Autor

Noga Lubicz Sklar: Noga Lubicz Sklar é escritora. Graduou-se como arquiteta e foi designer de jóias, móveis e objetos; desde 2004 se dedica exclusivamente à literatura. Hierosgamos - Diário de uma Sedução, lançado na FLIP 2007 pela Giz Editorial, é seu segundo livro publicado e seu primeiro romance. Tem vários artigos publicados nas áreas de culinária e comportamento. Atualmente Noga se dedica à crônica do cotidiano escrevendo diariamente em seu blog.

Para falar com Noga senda-lhe um e-mail ou add-lha no orkut.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Loja de Bonecas I, por T.M. Castro.

Espere a sua vez atrás da moita, por Rodrigo Capella.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos