Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Manoel Hygino dos Santos


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

O agente britânico

por Manoel Hygino dos Santos *
publicado em 15/02/2007.

Chico Lopes, no Verdes Trigos, registra a inexistência de uma biografia de David Lean nas livrarias do Brasil. Mas o escritor paulista residente em Poços de Caldas, afinado com o que de melhor se produz no mundo do livro e do cinema, informa haver um volume de 810 páginas, lançado em Londres, em 1996. De autoria de Kevin Brown-low, trata-se de um de “David Lean”, de corpo inteiro. Tanto é verdade, que são mais de 800 páginas, como disse.

Lean tem traços de seus personagens e suas histórias. Para Chico Lopes, no livro aparece uma caricatura de Lean, meio como na efígie de um imperador romano que padecesse com megalomania, arrogante e imperial.

Acompanho o cineasta desde menino, quando assisti a “Grandes esperanças” e “Oliver Twist”, em preto e branco. Depois, vi “A ponte do Rio Kwai”, que lhe propiciou vários Oscars, o elogio da crítica e o reconhecimento público. Além disso, fluiu-lhe um rio de dinheiro.

Daí para frente, películas grandiosas. Assim, veio “Lawrence da Arábia”, tudo imensidão em Lean, inclusive o deserto da Jordânia, conseguindo-se cenas impossíveis de serem esquecidas. Terminado na Espanha e Marrocos, o filme revela a personalidade de Lawrence, “ambígua demais para sustentar um perfil de grande aventureiro”, diz Lopes

Lawrence era um agente do Intelligence Service e se estava no ápice da II Grande Guerra. Seu projeto era arrojado. Incentivada pelos germânicos, a Turquia desejava apoderar-se do canal de Suez, aorta do domínio colonial britânico. Lawrence pretendeu reunir as tribos árabes dispersas, nômades e inimigas. Vai fazer delas um grande exército, dando-lhe um comando e inventando um rei, detrás do qual está o Intelligence Service.

O coronel inglês não pede canhões, aviões, soldados, oficiais, quer simplesmente dinheiro. Para comprar, para corromper, para entusiasmar e convencer. Vence resistências. Deixa as roupas elegantes do chá-das-cinco no Cairo e veste a “chilaba” dos árabes, pés no chão para melhor guiar o camelo. Não é fácil distinguí-lo de um beduíno no deserto, até porque fala os vários dialetos árabes como se fosse a língua pátria. Nos alforges de seu camelo “mehara” de raça, as bruacas com as libras esterlinas.
Mãos à obra. Cria o primeiro núcleo nacional árabe, fazendo do emir Faiçal chefe da nova nacionalidade. O soberano sabia que não estava com a força toda, que o estrangeiro cristão tem verdadeiramente o comando. De todo modo, é o rei do Iraque, embora Lawrence reconhecesse não fazer das tribos inimigas uma nação. Estas querem, sim, fazer a guerra santa contra os turcos, pilhar, saquear as ricas cidades turcas, entre as quais Damasco.

Aí vem, talvez, a duplicidade a que se refere Chico Lopes, que é sintoma forte no filme de Lean. O próprio Lawrence escreveu: “A minha vida de exilado no meio dos filhos do deserto surgia-me com todo o seu desencanto; não estava eu a explorar os seus altos ideais, a fazer de seu amor da liberdade mais um instrumento para auxiliar o triunfo da Inglaterra?”

Deixando de lado a nostalgia, prático, o agente inglês forma uma grande segurança pessoal. Para isso, recruta os que demonstravam de fato coragem, nada se lhes perguntando sobre o passado. O essencial estava em obedecer a vontade do chefe. Este diz, em suas memórias: “Em Akaba, os britânicos chamavam salteadores aos meus homens, mas a verdade é que eles só assaltavam à minha ordem. Talvez algumas personagens desconfiadas achassem perigoso que todos esses homens não reconhecessem nenhuma outra autoridade, além da minha...

Sem entrar em pormenores: Faiçal é coroado rei do Iraque, primeira parte do plano. Mas o próprio Lawrence pensava subir mais, envergando o manto de seda branca, cingido por um cordão de ouro de Meca, de onde pende um punhal doirado. Deixou registrado em suas memórias.

Transcorridas décadas, o Oriente ainda é o vasto laboratório das nações ocidentais para seus audaciosos experimentos. A aventura de Lawrence não terminou, apenas ele findou. A guerra continua.

Sobre o Autor

Manoel Hygino dos Santos: *Jornalista e escritor. Membro da Academia Mineira de Letras, cadeira n. 23.

Livros publicados:
Vozes da Terra , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 1948 , Contos e Crônicas
Considerações sobre Hamlet , Ed. Imprensa Oficial de Minas Gerais , Belo Horizonte , 1965 , Ensaio Histórico – Literário
Rasputin – último ato da tragédia Romana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1970 , Ensaio
Governo e Comunicação , Ed. Imprensa Oficial , Belo Horizonte , 1971 , Monografia
Hippies – Protesto ou Modismo , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1978
Antologia da Academia Montes-Clarense de Letras , Ed. Comunicação , Belo Horizonte , 1978 , Coordenação de Yvonne de Oliveira Silveira
Sangue em Jonestown, uma tragédia na Guiana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1979 , Ensaio
No rastro da Subversão , Ed. Faria , Belo Horizonte , 1991 , Ensaio
Darcy Ribeiro, o Ateu , Ed. Fumarc , Belo Horizonte , 1999 , Biografia
Notícias Via Postal , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 2002 , Correspondências


E-mail: colunaMH@hojeemdia.com.br
Matéria originalmente publicada no Jornal "Hoje em Dia", Belo Horizonte/MG

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Como um saco de risadas no cotidiano, por Rubens Shirassu Júnior.

Delírio turco, por Noga Lubicz Sklar.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos