Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Uma doença chamada Amor, na visão de Patricia Highsmith

por Chico Lopes *
publicado em 09/11/2006.

Patricia Highsmith, que todo mundo que lê autores contemporâneos sabe mais ou menos quem é, falecida em 1995, é, felizmente, muito publicada e republicada no Brasil. Deve ter um bom número de leitores, e eu me incluo entre eles - sempre que encontro um livro seu que não li, tenho uma satisfação imediata e não hesito em comprar. "Essa doce obsessão" eu encontrei numa banca popular, já como velho item de sebo, numa dessas edições com cara de livreco romântico e tolo, perfeitamente descartável, até pela capa, que pode pegar algum incauto por razões que a história contida no livro esmagará. Não faltam a ela sequer aquelas letras salientes, em ouro, para "valorizar" o produto descaradamente barato.

Quem pode imaginar que por trás dessa banalidade comercial toda se encontra uma obra-prima, o que pode ser, inclusive, a maior novela escrita pela autora?

É um dos melhores livros existentes sobre o fenômeno chamado paixão. "Essa doce obsessão" simplesmente pega um sujeito comum, metido a cientista, chamado David Kelsey, e nos mostra a sua vidinha numa pensão de uma das infindáveis cidadezinhas medíocres do interior dos E.U.A. Ele é o típico sujeito bonzinho, de comportamento aparentemente impecável, que agrada aos idosos, convive em harmonia com os outros hóspedes, e é um empregado modelar numa fábrica de utilidades vulgares de plástico. David tem um amigo que gosta de beber e não se dá com a mulher, o típico marido que gosta de dar as suas escapadas, mas que vive sob o jugo daquela mulher de quem gosta tanto de reclamar (conhecemos inúmeras variações dele, no Brasil; entre os homens brasileiros, uma mulher como essa é rotulada de "patroa" e, a uma certa hora da reunião do boteco, o sujeito olhará para o relógio e voltará para casa, nervoso, por causa dela, uma chata, de quem ele dependerá pelo resto da vida).

A história de Kelsey seria um epítome de banalidade nauseante se ele não estivesse apaixonado por uma certa Anabelle, que logo saberemos quem é. Mas perceberemos também, rapidamente, que o amor de Kelsey por ela é irremediável.

No mais amplo sentido da palavra. Kelsey é tão apaixonado por Anabelle que, por ela, construiu um mundo à parte, criou um novo nome, uma nova identidade numa cidade não muito distante, onde tem uma casa com os móveis com que queria presentear a moça, onde se tranca para...vamos dizer, amá-la.

Tudo bem se ela estivesse presente na tal casa. Não está, claro. Há bom tempo se casou com outro, vive uma vida alheia à de David e, pior, não passa de uma moça comum perseguida por um admirador incansável de quem quer se livrar, mas não consegue, por amabilidade, compaixão, por uma ligeira lisonja inconfessada (porque todo mundo gosta de ser amado, ainda que por algum indesejável), fazê-lo.

O MAIS COMPLETO EQUÍVOCO

A perícia e a crueldade de Patricia Highsmith brilham neste livro com uma intensidade particularmente apropriada: sua maneira crua, irônica e fria de tratar os absurdos humanos encontrou nessa história o veículo mais apropriado.

Tudo nela é absolutamente banal, transparente e...inaceitável. Uma velha canção popular brega brasileira trazia um resumo da "ópera": "Quem eu quero não me quer/quem me quer, mandei embora". Porque David, que ama sem tréguas e sem esperanças uma mulher alheia, tem uma mulher que o ama, completamente, e também sem esperanças. A admiradora de David é uma hóspede da pensão, e caberá a ela ir descobrindo, aos poucos, quem seu amado é. É sempre assim, com Highsmith: o lugar-comum é o abrigo do Inferno, os chavões comportamentais escondem o psicopatológico em estado bruto, e o Outro é Outro mesmo, quer dizer: enigma hostil, fechado.

O masoquismo obstinado de David, quem já não o conheceu em alguém por aí? Quanto mais Anabelle dá provas de que não o quer por perto, mais ele se obstina em amá-la, idolatrá-la, produzindo cartas que vão causando no leitor um incômodo desesperado, pois o que se está vendo, com uma lupa que o estilo maniacamente preciso de Highsmith fornece, é a evolução de um caso de demência.

O mais terrível nisso tudo é que o que Highsmith faz, na verdade, é pôr o dedo numa ferida universal, trivial, quase como se estivesse, por crueldade, topando um desafio - escrever uma história de amor comum para virar de ponta-cabeça toda espécie de consolo e conforto piegas que essas coisas, em livros destinados a gente cheia de coração, mas desprovidas de cérebro, apresentam.

David se parece muito com qualquer pessoa apaixonada: ele simplesmente defende a lógica de seu amor, que não tem lógica alguma, com a mais cândida fé. Crê que vai casar-se com Anabelle, que ela é prisioneira do marido (quando ela na verdade o ama, embora ele seja feio e grosseiro). Que ela é uma mulher incomum, dotada para a música clássica (quando é uma moça simples, que um dia interessou-se por piano, esqueceu-se disso, casou-se e pronto). As razões que David elabora para seu amor vão num crescendo, aprisionando-o cada vez mais na teia do equívoco. Mas só o leitor percebe. David é um protótipo de normalidade, para todos. É precisamente nessa normalidade que a insanidade se instala, soberana e sorrateira, e a escritora a observa desenvolver-se como um entomólogo obcecado pelos movimentos de um inseto raro.

A base dessa doença de David, tão disseminada no comportamento humano, é simplesmente essa coisa tão comum, mas tão ignorada (deliberadamente): o fato de não sabermos quem os outros são. O fato de amarmos sempre um produto de nossa fantasia, não a pessoa real que lhe deu origem e que pode ser, inclusive, totalmente divergente dela. As maiores perturbações estão no cerne da banalidade. O que Proust afirmava acerca da natureza doentia do amor - uma febre fantasiosa, sem reciprocidade, para Marcel - Highsmith assinaria embaixo, com fervor absoluto, e acrescentando, em rodapé, um sem-número de notas ainda mais elucidadoras.

O grande amor de Kelsey acabará gerando duas mortes, e acidentais, para maior desespero do infeliz. Mas acidentais de um modo tal que parecem criminosas, e ele passará a ser objeto de uma investigação policial. Só que nunca saberá quem é perseguido - se ele, Kelsey, ou se o homem irreal cuja identidade forjou para viver com uma Anabelle que não existe numa outra cidade, sob nome falso. É dilacerante.

Highsmith, brincando de maneira cruel com esse estereótipo do romantismo - o amor idealizado -, tirando um sarro dos Werthers deste mundo, está dizendo o óbvio: que a loucura perigosa está por aí, em qualquer canto, como uma tarântula à espreita dentro do cidadão normal, afável, tranqüilo, confiável. Que esse sentimento, tão banalizado, de que as pessoas se orgulham tão facilmente, de modo algum pode ser sempre levado como uma prova de uma grande sensibilidade e de uma humanidade nobre. Pode ser sim prova de um desajustamento patético à mais necessária e básica sensatez. Um ou dois minutos de bom-senso, e David estaria salvo, mas também perderia a única poesia que há em sua vida estúpida, conformista e sem sentido.

Quanto à garota simples que ama David sem esperanças, pensa-se um pouco naquela loirinha, de óculos, vivida por Barbara Bel Geddes, em "Um corpo que cai", de Hitchcock; ela está apaixonada por Scott (James Stewart), que só tem tara é por a mulher do Além, Madeleine/Judy (Kim Novak), e é compreensível: que mulher de carne e osso pode fazer frente a uma idealização? Esses personagens são interessantes, mas David está no centro de tudo, e é preciso acompanhá-lo até o fim. Que é de grande beleza.

A realidade assustadora, abissal e ambígua de tal modo que todas as suas ambigüidades estão fora de controle e todas as vítimas não podem senão se enredar mais e mais em suas próprias motivações, é o mundo de Highsmith. E ele sim é assustador. Não os monstros fáceis dos livros de terror ou os "serial killers" de livros policiais, sobre os quais a leniência do leitor já lançou as teias do comodismo, da previsibilidade.

Para Highsmith, o que está em questão está perigosamente perto. Ou dentro. De todos nós.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A riqueza de Minas, por Manoel Hygino dos Santos.

Entrevista - ROSÂNGELA VIEIRA ROCHA, por Vivaldo Lima Trindade.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos