Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Manoel Hygino dos Santos


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Mulheres no cume

por Manoel Hygino dos Santos *
publicado em 08/11/2006.

A participação feminina na imprensa e nas letras brasileiras se tornou mais do que notória, para ser notável. Quem percorre as páginas de nossos jornais, de suplementos e os catálogos das editoras percebe como cresceu a presença da mulher nessas atividades, antes rara e, depois, apenas freqüente.

Foi-se o tempo em que aquela que fazia versos era poetisa. Desde algum tempo, passou a ser poeta, igual o substantivo para ambos os sexos. Homens e mulheres trabalham o produto com idênticos méritos e habilidades.

Na prosa, parece persistir uma certa predominância masculina e, nas folhas, determinadas missões se destinam preponderantemente aos homens, como na editoria policial. Nos suplementos, como dito, se irmanam em quantidade e qualidade.

As mulheres adentraram as universidades, invadiram áreas supostamente de propriedade masculina e, aos poucos, se demonstram em igualdade de condições. Só não alcançaram ainda aproximar-se do homem nos parlamentos, seja na Câmara Municipal, nas Assembléias Legislativas ou nas casas do Congresso Nacional. Mas tudo leva a crer que não demoram. No corpo judiciário, ela chegou firme, forte e simpática. O Supremo que o diga.

Na prosa de ficção tanto quanto nas dissertações e teses universitárias, há de se enfatizar a presença feminina. Nas cátedras, elas têm atuação reconhecida e marcante. Nas academias de letras, no interior e nas capitais, mesmo na brasileira, lá estão mulheres que destronam os imortais, que constituíam a unanimidade.

Nas antologias, a mesma coisa. Seja, por exemplo, a da Academia Mineira de Letras, a de Montes Claros, a de Varginha, a de Ponte Nova, a Clesis, de Ipatinga. À guisa de exemplo, tomo um exemplar de "Todas as Gerações: o conto brasiliense contemporâneo".

Brasília, porque é capital federal, um compósito de toda a Nação. Lá, no precioso volume, aparecem: Amneres, Clara Arreguy, Dulce Batista, Eloá França, Gracia Catanhede, Josyra Sampaio, Liana Aragão, Luci Guimarães Watanabe, Maria da Glória Lima Barbosa, Nilce Coutinho Guerra, Regina Stella, Rosângela Vieira Rocha, Stela Maris Rezende, Tereza Cruvinel, Vera Brant. Vê-se uma extensa participação, não restrita, bom que se diga, somente ao conto ou às letras, porque são mulheres dedicadas a outros importantes misteres intelectuais, artísticos, acadêmicos e sociais.

Este o caso de Rosângela Vieira Rocha, mineira de Inhapim, jornalista pela Faculdade de Comunicação da UnB, bacharel em Direito pela Universidade Católica do Salvador e Mestre em Ciências de Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Tem uma longa história de vida e de atividades literárias e intelectuais. Foi distinguida por sua participação em muitas iniciativas, é vencedora do Prêmio Nacional de Literatura, Editora UFMG, na categoria romance, com "Véspera de lua". Depois, veio "Rio das Pedras", destaque em outros concursos, menção especial no Prêmio Graciliano Ramos, conferida pela União Brasileira dos Escritores, 1990. Como se pouco, tornou-se primeiro colocada, na categoria novela, na Bolsa Brasília de Produção Literária 2001, da Secretaria de Cultura do Distrito Federal.

Hoje, Rosângela leciona Oficinas de Textos e de Narrativas no departamento de Jornalismo da Faculdade de Comunicação da UnB. Autora ainda de "Pupilas Ovais", contos, 2005, trabalha incessantemente e produz ficção do melhor conteúdo e forma, que se avaliará em "Fome de Rosas".

Participando do Programa para Graduados Latino-americanos, curso pós-graduação lato sensu, na Universidade de Navarra, em Pamplona, ganhou mais fôlego e se inspirou para redigir "Campo de estrelas", conto inserido em "Todas as gerações".

Sobre o Autor

Manoel Hygino dos Santos: *Jornalista e escritor. Membro da Academia Mineira de Letras, cadeira n. 23.

Livros publicados:
Vozes da Terra , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 1948 , Contos e Crônicas
Considerações sobre Hamlet , Ed. Imprensa Oficial de Minas Gerais , Belo Horizonte , 1965 , Ensaio Histórico – Literário
Rasputin – último ato da tragédia Romana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1970 , Ensaio
Governo e Comunicação , Ed. Imprensa Oficial , Belo Horizonte , 1971 , Monografia
Hippies – Protesto ou Modismo , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1978
Antologia da Academia Montes-Clarense de Letras , Ed. Comunicação , Belo Horizonte , 1978 , Coordenação de Yvonne de Oliveira Silveira
Sangue em Jonestown, uma tragédia na Guiana , Ed. Júpiter , Belo Horizonte , 1979 , Ensaio
No rastro da Subversão , Ed. Faria , Belo Horizonte , 1991 , Ensaio
Darcy Ribeiro, o Ateu , Ed. Fumarc , Belo Horizonte , 1999 , Biografia
Notícias Via Postal , Ed. do Autor , Belo Horizonte , 2002 , Correspondências


E-mail: colunaMH@hojeemdia.com.br
Matéria originalmente publicada no Jornal "Hoje em Dia", Belo Horizonte/MG

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Você Conhece o jourNow?, por José Aloise Bahia.

Árvores e cidades, por Efraim Rodrigues.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos